Artigos

Facebook libera denúncia de ‘notícias falsas’

Usuários brasileiros do Facebook que optam por usar o inglês como idioma principal da plataforma já conseguem ver um dos meios de combater a disseminação de notícias falsas implantados pela rede social. Mas apenas ver. Só que as denúncias não são enviadas para uma empresa de checagem, porque essa função é geolocalizada e funciona apenas nos Estados Unidos, na França e na Alemanha.

O Facebook informou que a opção pode ser constatada porque o layout dos perfis em inglês segue o padrão usado nos EUA, onde a denúncia de notícias falsas começou a funcionar em dezembro.

A opção de sinalizar algum post como notícia falsa vale apenas para publicações com links externos – ou seja, não ocorre com vídeos e fotos publicados diretamente no site.

A opção foi incluída no menu para denúncias. Antes da mudança, ao clicar em “denunciar publicação”, o usuário podia escolher entre os seguintes itens: “é spam”, “acredito que não deveria estar no Facebook” e “é irritante ou desinteressante”. Agora, há a opção “it’s a fake News” (isso é uma notícia falsa) — Por ora, a opção de denunciar notícias falsas está disponível apenas para quem possui o inglês como linguagem principal do perfil.

Depois de selecionar o novo tópico, o usuário é encaminhado para outra janela em que é possível, entre outras opções, marcar a postagem como falsa. Em testes feitos pelo G1, histórias que tiveram essa indicação não foram sinalizadas imediatamente. Isso ocorre porque a função não está em operação no Brasil. Nos EUA, por exemplo, quando alguém faz essa opção, a denúncia é enviada para uma equipe de checagem. Se dois checadores atestarem se tratar de conteúdo falso, a notícia é apontada como falsa.

Por outro lado, se o usuário optar por “acredito que não deveria estar no Facebook”, outras opções serão exibidas. Dentre elas, “É irritante ou de mau gosto”, “É pornografia”, “Ela vai contra meus pontos de vista”, “Ela defende a violência ou danos a uma pessoa ou a um animal” e “Esta é uma notícia falsa”. Caso assinale esse último tópico, o usuário será orientado apenas a bloquear deixar de seguir o autor da postagem, enviar uma mensagem a ele ou ainda abrir mão da amizade na rede social.

Apontar conteúdos aparentemente informativos mas que contenham mentiras é uma das iniciativas do Facebook para combater o avanço da desinformação na rede social.

Polêmica

A iniciativa foi lançada após o site ser alvo de críticas após a eleição de Donald Trump para a presidência dos Estados Unidos. Usuários, pesquisadores e colunistas de jornais norte-americanos afirmaram que notícias falsas sobre os candidatos podem ter influenciado a escolha dos eleitores.

França e Alemanha temem que o mesmo possa acontecer, já que os dois países terão eleições em 2017.

Propostas

Segundo Mark Zuckerberg, CEO do Facebook, a empresa desenvolve sete propostas para combater a desinformação de maneira mais eficiente:

1) Criar um sistema mais eficiente para detectar o que os usuários indicarão como falso de fazerem;
2) Facilitar o processo de denúncia de reportagens falsas;
3)
Fazer parcerias com empresas de checagem de fatos;
4) Rotular os links denunciados como notícia falsa e mostrar avisos quando eles forem compartilhados;
5) Aumentar a exigência de qualidade para os links que aparecem como “relacionados” na linha do tempo;
6) Dificultar a receita com anúncios dos sites de notícias falsas;
7) Trabalhar com jornalistas para aprender métodos de checagem de fatos.

construtora

Comentar

Clique para comentar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Publicidade

Siga-me no Twitter

Google +

%d blogueiros gostam disto: